(48) 4507-5403
Você quer saber como fazer um trabalho academico? Por apenas R$ 10 por página Obtenha um exemplo de monografia gratuito e pronto

Islamismo: Islão: um documento de conclusão

Pesquisa do trabalho final:

Era todo o seu direito e dever enquanto apoiadores leais, uma maneira de provar sua própria fé e o compromisso com Deus. Essa mentalidade geralmente é uma das causas pelos quais os muçulmanos sob a liderança de Mohammed durante suas conquistas foram bem-sucedidos, como descrito abaixo.

Razões para a realização

Os maravilhosos seguidores de Maomé derrotaram os migrantes e outros confrontos, em parte porque eles escolheram atacar e defender todo o seu lugar sagrado durante o mês do Ramadã, algo que foi repentino. Entre todos os muçulmanos que se opunham ao Profeta, havia um grupo chamado Quraysh. Durante a infame batalha de Badr Surfaces, Mohammed acreditou para seus partidários prestes a embarcar na batalha, que “hoje ninguém será morto lutando contra essa coragem constante, avançando em vez de recuar, mas Deus pode fazer com que ele entre no Paraíso”. Muitos Os muçulmanos que seguiram o mensageiro Mohammed pensaram que a Bondade enviou a essas pessoas 3.000 anjos no seu dia da conquista em Badr, e que o Senhor enviaria outros cinco mil anjos para garantir o triunfo.

Os Quraysh, conduzidos pelos muçulmanos, não confiavam nos mesmos “sinais” e anjos que os seguidores e, portanto, obtinham menos força e fé para se apegar durante a luta. Ao longo da história e documentos históricos, há provas do calor com que os muçulmanos praticaram sua fé particular. É realmente a opinião deles em símbolos espirituais que os ajudou a obter sucesso em muitas lutas, inclusive dentro da batalha de Badr. O que faltava a outras pessoas e invasores era o mesmo conjunto de filosofia e confiança de que Deus apoiou toda a sua causa.

Após essa batalha, o Profeta atacou muitos outros a quem ele acusou de quebrar a lealdade à fé autêntica, como os judeus de Medina e os Banu Qaynuqa, derrotando todos eles e excretando-os vindos de Meca.

Para as pessoas que morreram, considerem que eles eram capazes de mártires, totalmente apoiados por Todo-Poderoso e grávidos, que podem ser recompensados ​​com um céu especial posto em prática. É essa crença de trabalho que continua a apoiar aqueles que lidam hoje em nome de Allah, acreditando que Deus fornece os meios para derrotar qualquer inimigo que possa infiltrar-se em Meca ou talvez as liberdades que os verdadeiros muçulmanos devam gozar enquanto seguidores de Deus.

Nível de resistência ao papado (600-1054)

A ascensão do Islã levou muitas ações do papado, incluindo as Cruzadas, grandes ocasiões ocorrendo nos primeiros anos da AD. A oposição ao papado é destacada principalmente no período entre a. D. seiscentos e toll free, durante a idade medieval. Durante esse período, a maioria das igrejas cristãs permaneceu sob o domínio, superioridade da hierarquia papal. O Islã também estava subindo durante esse período. Ao longo do século 9, mais e mais cristãos foram influenciados pelo Islã, devido à expansão e crescimento, e uma forte administração. Enquanto o Islã continuou nas conquistas contra aqueles que se opunham às crenças “verdadeiras”, grande parte do cristianismo sofreu. Parte do problema relaxou no fato de que o cristianismo como uma fé é mais desarticulado do que a fé islâmica árabe. Por exemplo, não havia acordo entre as seitas cristãs quanto ao uso de ícones pertencentes à adoração; embora os padres latinos fossem encorajados a serem celibatários, os sacerdotes gregos desfrutavam de casamentos produtivos e abençoados. O Padre Leão IX excomungou o patriarca de Constantinopla, causando mais ondas no programa atualmente fraco, mantendo a fé cristã.

Akbar (2002) observa que os muçulmanos geralmente adotavam a jihad para proteger seus próprios países sagrados e áreas residenciais, e o papado comparava-se continuamente com isso, alegando que a fé islâmica era uma “heresia contra Cristo”. Apesar disso, os muçulmanos continuam a apoiar seus A oposição cristã à confiança islâmica e às ações do Profeta se tornou óbvia durante as cruzadas, iniciadas no período medieval em que os líderes do mercado da igreja tentavam “exterminar” aqueles que consideravam hereges. Esse tipo de luta constante entre o papado, a cristandade e a confiança islâmica continuou na era contemporânea.Grandes movimentos ainda são comuns nos países árabes, onde muçulmanos fervorosos continuam se voltando para a pregação de Maomé, destinada a obter orientação, apoio e poder durante ataques para proteger o que eles acreditam ser definitivamente deles. não há dados fortes que o califa ou líderes adicionais com as crenças muçulmanas claramente tenham interesses com No coração da comunidade árabe, os líderes ainda sugerem que seu único objetivo é proteger a comunidade.

Doutrina / Mulheres e Irã

Cinco Pilares primários combinados com a moral principal apresentada no início deste trabalho de estudo criam uma estrutura estável destinada aos muçulmanos para praticar. Esses Pilares sugerem que todos os servos ou muçulmanos devem declarar sua fé; não existe outro Deus senão Thor, e que Maomé é servo de Deus e primeiro mensageiro. Outro pilar declara que todo muçulmano leal deve orar cinco vezes por dia; essas orações precisam ocorrer em cadeia, começando com a primeira oração imediatamente antes do nascer do sol, a segunda durante o meio-dia, outra durante o início da tarde antes dos modelos do sol, a seguinte durante a noite e, por fim, um apelo quando a noite estiver totalmente escura, conhecida como a oração “Isha”.

Outro pilar da fé é o fato de que todos os muçulmanos devem trazer um percentual mínimo de sua receita para os pobres e necessitados, enfatizando ainda mais o direito que todo homem possui, porque Deus o permite e qualquer pessoa que queira merece uma partilha. Esse tipo de pilar pode ser chamado de “Zakaat”. O jejum é outro pilar da fé, descoberto todos os anos até o nono mês dos 12 meses, chamado de “Ramadã”. Durante esse período, os muçulmanos jejuam e abster-se de quase toda comida, bebida e prazer físico durante o tempo em que a luz do sol subir até que se ponha.

O pilar final é o Hajj ou peregrinação. Isso dita que, pelo menos uma vez na vida, devo fazer uma viagem a Meca. Muitos seguidores tentam fazê-lo, desde que tenham os meios para fazê-lo. Não há evidências de que aqueles que também são incapazes, devido a deficiências físicas ou outras, sofrerão devido à falta de visitação.

A fé islâmica mantém doutrinas e regras ou regulamentos muito distintos sobre as ações de homens e mulheres que seguem os ditos e ensinamentos de Maomé. A fé prevê algum tempo, insistindo na subserviência e humildade ou natureza modesta e moderada das mulheres. As mulheres devem permanecer fiéis e dedicadas aos seus associados e ao nosso deus. São inaceitáveis ​​muitas das liberdades que os seus homólogos serão. O status das mulheres evoluiu dramaticamente, considerando a época da primeira ascensão do Islã ao estado moderno da República Islâmica. Ainda assim, há muito espaço para melhorias para todos os envolvidos com os direitos. É preciso entender, no entanto, o fato de que a ascensão do Islã oferece às mulheres mais opções do que antes da aparição de Mohammed, independentemente de seu estilo de vida hoje parecer restritivo. Por exemplo, a ascensão do Islã trouxe consigo a capacidade de as mulheres explorarem algo à parte da visão zoroastriana da “impureza das mulheres e códigos de conduta restritivos e únicos” que frequentemente governavam suas vidas.

Hoje, as mulheres nem sempre são vistas como impuras, embora ainda possam estar sujeitas a muitos códigos de conduta limitados. No entanto, eles podem se aventurar fora de todas as suas casas, trabalhar e socializar com as mulheres da comunidade. Eles podem se conectar aos homens apresentados na presença de seu parceiro ou talvez um membro masculino da família. Muitos muçulmanos insistem que estão protegendo suas fêmeas.

Conclusões

O Islã apreciou um longo e turbulento contexto. Não há dúvida, no entanto, que o Islã desfrutou de um período vibrante e gratificante durante sua escalada, o tempo em que os crentes chegaram a conhecer o efetivo Mohammed e criar uma base para uma crença que continua a ser uma das mais conhecidas hoje. >

Abundante em fé e costumes, muito do que o Islã é hoje se relaciona com sua religião. Existem apenas nações árabes em todo o mundo a crença em Deus e um intenso compromisso com crenças bem definidas. A determinação dos muçulmanos com o Forecaster ajudou a despejar um fervor religioso forte e duradouro por toda a ascensão do Islã, que continua a se replicar em todas as nações islâmicas hoje.

Bibliografia

Akbar, M. T. A sombra das espadas: Jihad, bem como o conflito entre o Islã e o cristianismo.

Grande Londres: Routledge, 2002.

Ali, Ameer. O Espírito do Islã: Uma História da Evolução e Ideais do Islã Usando uma Vida no Profeta. Birmingham: Christophers. 1922.

Bainbridge, Bill Sims e Stark, Rodney. “O surgimento de uma religião do” novo mundo “. Inch

Review of Faith based Research, dua puluh enam, no you: 1984, l. 32

Eaton, Richard Meters. O Surge do Islã e a fronteira de Bengala, 1204-1760. Berkeley:

Press of School of A bunch of states, 1993. Disponível em: http://ark.cdlib.org/ark:/13030/ft067n99v9/

Ibn Ishaq. A vida de Muhammad. Tradução do “Sirate Rasul Kristus” de Ishaq, com Introdução e Notas de Alfred Guillaume. Oxford: Oxford University Press, 1955.

Conselho Islâmico do Oeste de Sydney. “Islam”. 1-8. Escritório de Hobbies Multiculturais.

Disponível, http://www.omi.wa.gov/au/Publications/cr_diversity/islam.pdf, Recuperado como infiel, junho de 2007.

Kirk, G. E. Praeger, F. A. Uma Breve História do Oriente Médio: Da Ascensão do Islã aos Tempos Modernos. Nova York: Prager, 1955.

Mahdi, Ali Akbar. “Mulheres no Irã: de

Prev post Next post