(48) 4507-5403
Você quer saber como fazer um trabalho academico? Por apenas R$ 10 por página Obtenha um exemplo de monografia gratuito e pronto

Opinião pessoal sobre o maior desenvolvimento de habilidades de palco: ...

Impressionismo e pós-impressionismo

Quando ouvimos a palavra “arte”, pode-se pensar em muitas imagens: uma pintura otimamente destacada, produzida inteiramente de pontos, uma grande parte abstrata com informações de cores ou mesmo esse tipo de obra-prima enquanto a Mona Lisa. Mas como todos esses estilos chegaram, estão presentes e são bem-vindos? Dentro da história da arte, dois dos períodos mais notáveis ​​da arte foram o impressionismo e o pós-impressionismo. À medida que os dias modernos se desenvolvem para o seu tempo, alguns movimentos mostram uma pausa resultante das explicações tradicionais e um desejo de mostrar emoções. No entanto, existem algumas diferenças cruciais entre os estilos dos dois, apesar de toda a relação entre eles.

Em 1874, um grupo de designers se rebelou resistente aos padrões neoclássicos da época, pontuando o início da era impressionista com uma exibição de seu novo estilo. Esse tipo de grupo, seguindo esse tipo de artista porque Edgar Degas e Claude Monet, surpreendeu o mundo com as pinturas brilhantes e cheias de luz. Amplamente consideradas vulgares, essas pinturas impressionistas apresentavam acidentes vasculares cerebrais breves e quebrados com pincel e cores vibrantes e sem mistura. Até áreas escuras e destaques, tradicionalmente construídos em preto ou branco, eram renderizados em cores (Samu). A ênfase desse movimento nas cores brilhantes e nos efeitos do suave foi parcialmente facilitada pelo desenvolvimento recente de tons sintéticos (Samu), uma tecnologia que dava aos artistas acesso a tons mais verdadeiros e brilhantes.

Uma possível resposta ao avanço da fotografia, o impressionismo por dinheiro, pelas tradições abafadas, posadas e sombrias da arte neoclássica. Com toda a tecnologia das fotografias, pinturas razoáveis ​​se tornaram obsoletas, proporcionando ao artista a liberdade e a necessidade de explorar novas variações. Em vez das obras de arte do neoclassicismo, o impressionismo centralizou-se em tópicos transitórios e na vida moderna fora do estúdio. Esse tipo de estilo, conhecido como “ar égal” (significando ao ar livre) (“impressionismo”), era visto como a captura de um momento passageiro. Obras de arte frequentemente retratam paisagens e cenas de lazer, enquanto usam cores vivas e brilhantes da comunidade externa. O estilo naturalista do impressionismo e a rejeição do idealismo tradicional ganharam essa categoria como os dias modernos e influenciam o movimento que surgiu em resposta a isso.

O termo “pós-impressionismo, polegadas que foi colocado no sucessor do impressionismo, veio muito depois do movimento real. Foi cunhado pelo crítico de língua inglesa Roger Fry em 1910, após a morte dos artistas participantes (” Pós-impressionismo ” O movimento começou no final da década de 1880 e apresentou uma ruptura dramática com o estilo naturalista de seu antecessor. Inclinando-se para o abstrato, o pós-impressionismo estava centrado na expressão da emoção, com cores simplificadas e certas formas (Voorhies) “muitas ao contrário das formas sugeridas e das cores sofisticadas do impressionismo. Em vez da ênfase óptica e dos impactos de seu precursor, o pós-impressionismo se esforçou para expressar temas mais profundos, o que significa aplicar simbolismo a todas as cores e pinceladas.

Embora concebido pelo impressionismo, o pós-impressionismo é provavelmente melhor descrito simplesmente por sua falta de composição estilística ou comunalidade entre o trabalho dos artistas. Sem um estilo ou procedimento único, a atividade era ainda menos coletiva que o impressionismo (Voorhies). Sem dúvida, a única combinação que o pós-impressionismo poderia ser reconhecida é sua deficiência de coesão. Entre artistas como Vincent Van Gogh, Paul Cezanne e Georges Seurat, as características expressivas das pinturas pós-impressionistas variaram de emocional a desapasionado (“Pós-impressionismo”), escolhendo ainda mais a ruptura do impressionismo da semelhança clássica.

Impressionismo e pós-impressionismo são alguns dos melhores exemplos do crescimento da obra de arte ao longo do registro. Cada um deles foi desenvolvido como uma resposta ao movimento artístico à sua frente, tendo uma mudança radical nos estilos anteriores. Embora o reconhecimento e o evento especial de diferentes variações sejam muito comuns agora, essa quebra da noção estabelecida de arte fabricou esses dois movimentos modernos por si só e desempenhou um papel importante na soberba diversidade de obras de arte que desfrutamos hoje.

Prev post Next post