(48) 4507-5403
Você quer saber como fazer um trabalho academico? Por apenas R$ 10 por página Obtenha um exemplo de monografia gratuito e pronto

Ensaio sobre falhas de acordo

Um defeito de consentimento é uma situação em que o anúncio de uma parte não reflete sua intenção genuína. Essa diferença entre declaração e intenção pode ser causada por outras partes, fazer com que alguém entre em contato com um contrato. Fraude e coação são esses tipos de defeitos. Grosso modo, a fraude está enganando alguém, ocultando certos fatos ou fornecendo uma impressão / informação incorreta, a fim de fazer com que todos eles formem um contrato, e o desconforto esteja assustando ou assustando alguém, para garantir que eles sejam um contrato.

Se houver uma diferença entre declaração e intenção, que por sua vez, sem intenção, leva do declarante, podemos dizer que há um erro. Em alguns casos, ambas as partes são diagnosticadas incorretamente sobre o contrato. Tais problemas são chamados de “Erro coletivo. Nessas situações, o contrato é formado simplesmente pela intenção exata das partes, certamente não de acordo com suas falsas afirmações. Erro No conteúdo do TCO 30, a legislação afirma que” Uma parte agindo sob um problema essencial quando a celebração de um contrato definitivamente não tem certeza.

Interpretando este artigo, podemos deduzir que essencialidade é um conceito-chave, pois erros não essenciais não afetarão a qualidade do contrato.

Alguns aspectos do problema essencial são específicos no TCO, mas a legislação não limita os casos de erro essencial com todos esses artigos. Estados não escritos de problemas essenciais dependem das regras de boa fé. O erro pode resultar de várias técnicas: Erro na declaração No artigo 31 do TCO, a lei estabelece: Geralmente, um erro é considerado especialmente essencial nas seguintes situações 1-Quando uma parte pretendeu deduzir um contrato diferente daquele em que consentiu. A deseja vender 90 quilos de azeite para B, mas, durante a criação do negócio, A acidentalmente afirma que deseja comprar 100 quilos de azeite e B confirma a oferta. – Onde uma parte chegou à conclusão de um contrato relacionado a um assunto além do assunto que ele projetou. A realmente quer comprar um bem da marca Elizabeth, mas durante toda a formação do contrato, esse indivíduo afirma que deseja comprar um bem de qualidade superior por engano e não o conhece. 3 – Nos casos em que uma parte denunciou as suas intenções de celebrar o contrato além do que ele pretendia. A gostaria de enviar uma oferta por correio postal para M, mas esse indivíduo escreve um tipo diferente de endereço e o correio segue em direção a C. C aceita a oferta. 4 – Quando uma parte leva em consideração uma pessoa específica, a outra pessoa que celebra um contrato ainda declara sua intenção a mais uma.

A pode ser descrita como babá que gostaria de criar o filho C de B, mas, através da formação do contrato, sua mulher declarou o nome do filho emocionalmente deficiente D. de B A. A é diagnosticada incorretamente sobre a identidade de alguém, certamente não os requisitos de alguém. Caso contrário, pode haver um erro no motivo, que geralmente não deve ser confundido. 5- Onde uma das partes prometeu criar um desempenho significativamente maior ou aceitou uma promessa de consideração significativamente menor do que realmente pretendia. Erros no cálculo de natureza direta geralmente não afetam a qualidade do negócio; mas eles devem ser corrigidos.

Um excelente deve ter 10.000 dólares escritos em sua etiqueta, mas acidentalmente 1.000 dólares americanos estão escritos em sua etiqueta. A compra o ótimo por 1000 dólares. Problema dos corretores A lei declara no artigo 33 da TCO que “Quando uma oferta para celebrar um contrato foi comunicada incorretamente por um Messenger, übersetzungsprogramm ou outros agentes ou talvez por qualquer meio, as disposições que regem o erro são aplicáveis. O problema dos agentes é contabilizado como erro de afirmação: tradução incorreta, intencionalmente desinformada, alterações no conteúdo textual durante a telegrafagem … são exemplos desses erros.

Erro ao simplesmente considerar um comportamento enquanto consentimento Toda vez que a ação de uma parte é considerada uma oferta ou talvez aceitação por simplesmente outra reunião, e a outra parte está certa em considerar isso consequentemente e formar o acordo, o contrato provavelmente será válido . Não obstante, o engano do engano pode afirmar que ele está enganado e se beneficiar da provisão do erro na afirmação. Textos autorizados sem estudar Se uma reunião assina um texto sem leitura, e é certo pensar que o texto se adequa ao seu objetivo, o resultado é determinado pelo conhecimento da parte adicional sobre essa intenção.

Se a outra pessoa souber ou precisar saber que o texto não atenderá às intenções do assinante, o acordo não será formado e, portanto, não haverá realmente necessidade de provisões de erro.Por outro lado, no caso de a outra parte não conhecer e ter absolutamente que conhecer a finalidade do assinante, o contrato será formado, mas a assinatura se juntará demonstrando que o erro é essencial, pode se beneficiar de provisões de erro na declaração. Pessoal não seguro em Vazio Uma das funções concorda em entrar em branco em 1º e depois permite que outra parte constitua o contrato.

No caso de este contrato formado posteriormente ter conteúdo que não se enquadra na intenção real da parte contratante, ele pode tirar proveito de provisões de erro. Erro no objetivo O erro no motivo é causado por um erro na formação do objetivo. Em regra, o erro de motivação geralmente não é vital. Se você descobrir as condições prescritas pela lei, há um erro importante no motivo. No documento 32 da TCO, a lei estabelece que “o erro no objetivo certamente não é considerado essencial, a menos que a parte errada considere o motivo como base necessária para o contrato e seja válido de boa fé nos negócios”. >

No entanto, esse tipo de regra definitivamente não é aplicável, a menos que a outra parte conheça esse motivo. De acordo com este artigo, o erro de objetivo é essencial se a parte acredita que esse objetivo é a base necessária para o contato. Isso implica que a reunião está errada sobre um assunto ou requisitos de alguém que afetou sua decisão de criar o contrato. Erro na qualificação do material, erro de fato, erro no status legal são tipos de tais falhas. A gostaria de comprar a escultura de sculptpor B, mas na verdade a escultura é parecida. Nesse cenário, há um problema na qualificação do material. A acha que pode ser designado para um emprego na cidade, portanto, ele aluga uma casa porque é cidade.

Ele cometeu um erro, a verdade é. A aquisição de um terreno para construir uma casa, mas não saberia que a estrutura é proibida neste site. Ele está enganado sobre o status legal da terra. Além disso, se outra pessoa se reunir ou tiver de estar atenta ao motivo, o erro é geralmente considerado essencial. Isso deve ser identificado no presente caso. Evitabilidade No TCO art. 30, a lei estipula que “uma reunião agindo sob um problema essencial ao celebrar um contrato definitivamente não está vinculada a ela. No entanto, isso é limitado pela habilidade do TCO. 39. O contrato provavelmente será válido se o erro da reunião não acontecer”. elimine o acordo em um ano, a partir do momento em que ele perceber seu erro.

A boa fé governa o erro O direito de evitar também é limitado pela lei. A lei declara no TCO art. 34 que “Uma pessoa não pode avançar com erro em um método que viole as boas crenças. Em particular, o contrato é considerado concluído da maneira que a parte que cometeu o erro pretendeu, caso a outra parte declare que sua aprovação está destinada. A violação de grande fé apontada na subseção inicial pode ser assim: uma pessoa descobre que cometeu um erro essencial sobre um acordo que esse indivíduo celebrou nos últimos anos. Ele realmente deseja usar seu direito para evitar apenas destruir outra parte.

Nesse caso, ele não poderá se beneficiar das condições do problema, uma vez que na verdade é uma violação da boa fé. A segunda subseção desta disposição é particularmente importante. Gostaria de apresentar um caso nesta fase, a fim de explicar melhor: A realmente quer comprar um quilo de fruta para obter 2 Liras, mas ele está enganado e aceita a oferta de B de adquirir um quilo para várias Liras. Em seguida, declara seu erro para B, N imediatamente diz que ele está pronto para vendê-lo por 2 Liras. Nesta circunstância, A não pode afirmar que gostaria de anular o contrato, pois cometeu um erro necessário. O contrato é.

Erro simplesmente por negligência De acordo com o TCO art. trinta e cinco “Um encontro agindo com erro é provável por qualquer dano decorrente da nulidade do contrato, onde o erro pode ser atribuído à sua própria negligência. No entanto, não há absolutamente nenhuma compensação caso a outra parte reconheça ou realmente deva saber de No interesse da equidade, o Tribunal poderá, não excedendo o benefício do desempenho padrão, conceder mais danos à parte lesada. A primeira subseção trata da responsabilidade das ações das partes antes do desenvolvimento do acordo (culpa in contrahendo ).

Mesmo um leve descuido no erro resulta em desliz em contrahendo, e nesses tipos de situações os danos serão pagos. De acordo com a segunda sentença desta subseção, não haverá acordos se a outra pessoa souber ou devesse considerar o erro. Mas esta disposição definitivamente não é aplicável ao problema de afirmação, uma vez que, no caso em que a outra parte reconheceu ou realmente deveria ter conhecido o erro na declaração, o acordo é formado de acordo com a verdadeira intenção do declarante.Mas se uma parte souber ou talvez precisar conhecer outra pessoa que tenha cometido um erro, a parte errada não terá que compensar nenhum dano, mesmo que esse indivíduo abole o contrato.

O volume da destruição que será paga é o dano que certamente não existiria se o contrato não pudesse ser produzido. Esse tipo de dano é “dano negativo. A vantagem do desempenho padrão é conhecida como” dano positivo. De acordo com a segunda subseção, o juiz pode decidir ainda mais danos. Este “dano adicional é a resolução de dano positivo. A soma de um grande dano que precisa ser compensado pode ser um dos grandes danos ou todo o grande dano, dependente da equidade, mas não pode superar os danos positivos.

Prev post Next post