(48) 4507-5403
Você quer saber como fazer um trabalho academico? Por apenas R$ 10 por página Obtenha um exemplo de monografia gratuito e pronto

Composição persuasiva sobre o aborto

Aborto

A matança infantil de bebês por assassinatos sempre foi um assunto polêmico entre todos, estejam eles envolvidos direta ou indiretamente, sejam a favor ou contra. É quase impossível procurar alguém que não tenha uma opinião sobre o aborto. Igualmente aqueles que favorecem ou vão contra sb / sth? desobedecer ao aborto gera disputas superiores para defender todas as suas crenças e opiniões.

Pessoalmente, acho que todas as pessoas anteriores têm direito a suas próprias opiniões, crenças, pensamentos e privilégios. E, certamente, as mulheres também têm direitos, e questionar as mulheres o direito de escolher a matança ilegal de bebês nos estágios iniciais da criação fetal é questionar seus direitos legais como cidadã dos EUA e também está discriminando ela. Eu acho que a matança infantil de bebês de origem indígena deve ser limitada às 21 semanas iniciais, que é o momento em que a maioria das verificações pode ser feita para determinar a aptidão do feto. Qualquer coisa depois pode ser imoral, já que o feto pode perfeitamente viver fora da barriga da mãe, embora possa depender do problema.

O aborto precisará inquestionavelmente não ser realmente usado, sendo um uso contraceptivo primário. Deve ser determinado dependendo das circunstâncias da gravidez. As mulheres devem ter a opção de ter um filho matando um bebê mortal se for estuprada, engravidada por um homem perturbado ou por incesto. Seria injusto alimentar uma vítima rasurada para lidar com um bebê indesejado e desistir de todos os sonhos que a mulher já teve e ser lembrada daquela violação pelo resto de seu estilo de vida.

Minha esposa e eu também pensamos que a vida de uma mulher não deve ser perdida ou colocar em risco, uma mulher deve ser capaz de terminar se houver virtualmente alguma complicação ou talvez um risco para sua vida e um perigo para a vida do bebê. Poderia ser moralmente incorreto trazer para este mundo um bebê severamente deformado, extremamente prejudicado ou um grande incompetente e vê-lo sofrer nos próximos anos. Isso não afetaria apenas a vida da mãe, mas afetaria também o bebê. Essa criança não seria comum, nunca terminaria feliz e ficaria triste por não ser como as outras crianças.

É preciso muita força, força de vontade, dedicação, orações e dinheiro para cuidar de um bebê infeliz e é por isso que eles geralmente acabam em empresas, independentemente do quanto sejam adorados. E o pior de tudo é que há muito pouco que eles podem realizar em suas vidas. Que tipo de vida esse bebê teria caso a mãe falecesse durante o trabalho de parto ou parto? Existe apenas uma grande quantidade que um pai pode realizar. Quão razoável isso seria? Caso a mulher geralmente não esteja bem preparada financeiramente, psicologicamente e literalmente, ela deve ter a escolha, todos os filhos devem ser desejados.

Afinal, você descobrirá muitas crianças por aí que podem estar no bem-estar, criar cuidados ou abusar. Eles também podem pensar rejeitados pela sociedade, por seus pais que não desejam que eles comecem e podem se rebelar mais tarde na adolescência. A vida pró-vida deseja que o aborto seja ilegal, eles presumem que é um assassinato. Ouvi dizer que o bebê pode ser inocente, não fazer nada que seja digno de ser morto, não quis ser criado e tem o direito de viver.

O que pode ser compreensível e lógico; no entanto, o feto não tem sentimentos ou lembranças, é massa de tecidos no começo. Mas considere o resultado, leve em consideração o futuro daquele bebê, ele ou ele não merece viver em desespero, na pobreza e no mau uso, poderá ser ressentido, pode ter um estilo de vida medonho com pais horríveis que não atenção e realmente não pode dar ao luxo de aumentá-los. A vida pró-vida quer mudar o estilo de vida humano para que a constituição proclame que o feto não nascido se torne uma pessoa completa desde o momento da concepção. O corpo de uma mulher tem a capacidade de abortar naturalmente, além de perder o bebê ainda não nascido.

Abortos normais estão acontecendo todos os dias. O que significa que a mulher será interrogada sobre as circunstâncias do aborto espontâneo, da cerveja a ser investigada ou talvez responsável ou mesmo processada? Quem vai acabar sendo responsabilizado pela fatalidade desse feto? Onde podemos traçar a linha? A pró-vida incentiva a adoção, que é uma maneira muito fácil de proporcionar à criança uma vida melhor e um futuro melhor. No entanto, é muito mais difícil desistir de um bebê do que você deveria abortá-lo. Todas as mães podem garantir isso.

A mulher se apega ao bebê durante a maternidade e não trata mais de abandonar a criança, mesmo que ela não possa se dar ao luxo de gerenciá-la; consequentemente, a adoção não é mais uma opção. Eles sempre querem manter o bebê.Não apenas isso, mas relacionado a estatísticas, há um período de dois a quatro anos aguardando um uso e pode custar até US $ 12.000 a US $ 15.000. Poucas pessoas podem pagar por isso.

Na minha opinião, matar um bebê infantil por assassinato deveria definitivamente se tornar a mãe como uma opção com algumas restrições naturalmente. Não vá além do primeiro 21 várias semanas. As mães serão competentes para produzir suas próprias decisões. No entanto, pode ser seu direito constitucional e geralmente são os oneas que provavelmente viverão com o resultado ou remorso.

Deve ser entre a mãe, sua fé, sua consciência e sua moralidade. Ninguém tem o direito de impor diretamente seus costumes a ninguém. Às vezes, o aborto pode ser descrito como uma saída da miséria, não apenas para a mãe, mas também para o bebê.

Prev post Next post