(48) 4507-5403
Você quer saber como fazer um trabalho academico? Por apenas R$ 10 por página Obtenha um exemplo de monografia gratuito e pronto

Artigo sobre Reforma Econômica da China (4177 palavras)

Reforma monetária chinesa

Dois

anos após a morte de Mao Zedong em 1976, tornou-se notável para muitos dos pioneiros da China que a reforma financeira era necessário. Durante seu mandato como primeiro-ministro da China, Mao instou ações sociais como o Wonderful Leap Forward e a Revolução Ética, que por sua vez tinham como ângulos suas ideologias, como servir

os indivíduos e mantendo a luta de classes. Por 78 líderes de mercado chineses

estavam procurando uma solução para sérios problemas monetários criados por Hua

Guofeng, o homem que sucedeu Mao Zedong como líder do PCC depois de Maos

< p>morte (Shirk 35). Hua demonstrou um desejo de continuar os movimentos ideologicamente centrados de Mao. Infelizmente, esses movimentos deixaram a China em um estado em que a agricultura estava estagnada, a produção industrial era baixa e os padrões de vida das pessoas não haviam aumentado em vinte anos. >

(Nathan 200). Esse tipo de último lugar era especificamente preocupante. À medida que o valor bruto do resultado final da indústria e da agricultura aumentou 810% e os lucros nacionais aumentaram simplesmente 420% da renda média das pessoas, aumentando apenas 100% por cento (Ma Hong citado em Evite 28). No entanto, tentativas de mudança econômica nos fornecedores chineses foram iniciadas não apenas como resultado de algum tipo de generosidade para a parte comunista da China de aumentar a multidão. critérios de vida. Tornou-se claro para os membros do PCC que as mudanças econômicas também cumpririam um objetivo político, já que o partido se sentia efetivamente, ao que parece, que isso havia sofrido falta de apoio. Desde Susan M.

Shirk identifica a situação no senso comum político da reforma monetária

na China, fixando o prestígio das CPCs necessárias para melhorar o desempenho financeiro e

elevar os padrões de vida. A conexão traumática com a Revolução Cultural experimentou uma erosão da confiança popular nas vantagens morais e políticas do PCCh. Os líderes dos partidos optaram por mudar a base da legitimidade das virtudes para a competência

e fazem isso para demonstrar que podem oferecer a

mercadorias. (23) Esse movimento da virtude para a competência parecia marcar uma saída crítica da teoria política ortodoxa da língua chinesa. O próprio Confúcio havia postulado no século V aC que aqueles indivíduos que melhor demonstravam o que esse indivíduo chamava de força de significado deveriam liderar a área. Usando este princípio

como guia, a China tentou, durante séculos, escolher pelo menos seus líderes de mercado burocráticos

, conferindo um cheque para determinar sua força moral.

Após a tomada do comunismo com o país, Mao continuou essa ênfase no significado da força, exigindo simplesmente que os cidadãos chineses demonstrassem o que ele relatou

como consciência correta. Essa inteligência correta poderia ser exibida, presumiu Mao, pela maneira como as pessoas viviam. Naturalmente, o que

constituía a mente correta era frequentemente determinado e avaliado simplesmente por Mao.

No entanto, o ideal de força ética ainda era potente na China também após a tomada comunista. É digno de nota que Shirk sente que os líderes do Partido Comunista da China observaram a reforma econômica como uma maneira de recuperar seus partidos e seus partidos, significando virtualmente a virtude após a morte de Maos. Por isso, paradoxalmente, ao demonstrar seus próprios conhecimentos em relação a uma parte mais prática da competência, os líderes do PCC experimentaram que podiam demonstrar como estavam dividindo as pessoas.

Certamente, o movimento em direção à reforma monetária veio a existir como resultado de um

ambiente doméstico e internacional alterado, que alterou a noção de liderança dos fatores que impactam

Segurança nacional da China e

equilíbrio social (Xu 247). Mas Shirk considera que, naqueles tempos pré-Tienenmen

, esse movimento surgiu também como resultado de uma tentativa dos comandantes do PCC de

exibir, de uma maneira mais prática e prática. portanto, de maneira menos obviamente ideológica do que Mao adquiriu, toda a pressão moral deles. Isso não quer dizer que o conceito de mudança econômica foi aceito com entusiasmo por todas as pessoas da liderança do Partido Comunista Oriental em 1978. Em grande parte, a questão da reforma financeira

tornou-se politizado, já que Deng Xiaoping usou a questão como um meio para atingir

a liderança do Partido Comunista Chinês. O sucessor de Maos, Hua Guofeng, conseguiu

tentar confirmar-se um substituto digno, beneficiário de Mao, envolto-se dentro do manto

dos costumes maoístas. Sua abordagem ao avanço econômico era ortodoxa, com um toque estrangeiro atualizado (Shirk 35).Este método estava fortemente vinculado ao desenvolvimento das reservas de petróleo da China. quando as cotações das reservas de petróleo foram revisadas, comprometendo-se a

importar fábricas e aumentar a indústria pesada, não puderam ser sustentadas (Shirk 35).

Deng aproveitou essa recessão para desacreditar Hua e ter como objetivo

o gerenciamento da reunião. As diretrizes de reforma se tornaram a plataforma da Dengs contra

Hua para o gerenciamento pós-Mao (Shirk 36). Dada essa história de mudanças econômicas, é perceptível que, no atual programa, as questões econômicas são, necessariamente, questões políticas (Dorn 43). Uma vez que Deng e sua unidade prevaleceram, foi essencial que algum tipo de reforma econômica se desenvolvesse. A primeira forma adotada pela nova economia não era radical. A China ainda era um

expresso em que o governo central apóia a energia elétrica dominante na alocação monetária de recursos

e oficiais locais responsáveis ​​trabalham pelos olhos dos

unidades sob seu controle (Solinger 103). No entanto, enquanto o tempo foi aprovado

alguns aspectos básicos do antigo programa foram aprimorados por design ou talvez pelos meios

do que poderia ser chamado de negligência não cancerosa. Como Shirk ressalta, nas áreas rurais

estava ocorrendo descoletivação: tomada de decisão de energia elétrica a partir de dispositivos de produção coletiva (comunas, brigadas e equipes) para

a família (38) , os preços de compra dos principais produtos agrícolas foram elevados

(39). Em 1985, reformas adicionais foram introduzidas. Por exemplo, contratos de receita de longo prazo entre agricultores e o governo foram estabelecidos. Além disso, em

uma tentativa de permitir que o mercado determinasse taxas, taxas de frutas da cidade

e legumes frescos, peixe, carne bovina e óvulos, estavam livres de recursos do governo para que

eles poderiam interagir com as exigências do mercado (Shirk 39). Mais importante ainda, ocorreu um

aumento da indústria e comércio pessoal e comunitário no campo

(Shirk 39). Isso permitiu que uma grande porcentagem da população humana se tornasse

associada a empreendimentos e gastos privados em familiares ou empreendimentos de grupo. As condições

também permitiram que os chineses rurais deixassem as aldeias e se envolvessem

na indústria dos centros urbanos (Shirk 40). A economia cresceu tão rapidamente que ocorreu uma bomba e o governo teve que reintegrar os controles de valor. A economia da China retém esses atributos de potencial de crescimento e inflação até hoje. Outro aspecto da reforma econômica da China foi a decisão de Cina de aderir à economia mundial. Espera-se que aliados maravilhosos de Deng Xiaoping resultem na resolução da década de 1970 de duas maneiras: simplesmente expandindo o comércio exterior e incentivando empresas estrangeiras a investir em empresas chinesas. Essa política denominada

Política de abertura (Shirk 47) foi uma remoção drástica de suas políticas de

Mao Zedong e, na verdade, de séculos da cultura política do idioma chinês. A ampla política

, que designará áreas limitadas na China porque coloca com

condições preferenciais para investimento estrangeiro e bases relacionadas ao desenvolvimento de

produtos de exportação (Nathan 99), foi incrivelmente bem-sucedido nas áreas onde foi implementado

(Shirk 47). No entanto, muitos chineses consideram que nada é menos que um lugar para a dependência econômica (Nathan 50). De fato, quando

a política foi implementada pela primeira vez, um grande número de chineses aparentemente temia que os procedimentos da Dengs

levassem os fornecedores chineses de volta ao seu status semi-colonial passado como um

mercado em que os países imperialistas eliminam suas mercadorias, um material não cozido

básico, uma oficina de conserto e montagem e um centro de investimentos. (Nathan

51) É interessante observar os sintomas de um personagem nacional que

se inscreveu nesse sentimento. Em um artigo escrito em 1981, apenas 2 anos depois da proposta da Política Aberta, Andrew J. Nathan notar a resistência quase patológica à intervenção estrangeira na economia chinesa:

Alguns orientais temem que a confiança na tecnologia importada inspire uma psicologia dependente da língua chinesa que perceba joint ventures sendo um tipo caro de compra. Algumas pessoas se preocupam: todos nós não sofreremos perdas ao deixarmos

e também obter renda em nosso país? (52) A língua chinesa era por causa de vocação em relação a questões de soberania. Nathan manteve a inovação liderada por Mao

, que terminou com sucesso em 49, havia sido apoiada por um grande patriotismo intenso: quando os fornecedores chineses estavam de pé, nenhuma violação de seu

soberania, por menor que seja, e deve ser permitida (53).Esses sentimentos se manifestaram ao negar aos empresários estrangeiros vistos de acesso múltiplo a longo prazo, resistindo ao aumento dos contatos econômicos no exterior e à alteração das formas atuais de execução. coisas e desinclinação por se envolver em

empréstimos e empreendimentos conjuntos de governo para governo, para que o idioma chinês não seja usado

de alguma forma (Nathan 53-55). Dadas essas hesitações por parte da cultura chinesa em relação às relações internacionais, é impressionante que os maravilhosos aliados de Deng tenham inicialmente conseguido desenvolver e aplicar a ampla política aberta porque muitos membros da sociedade em geral eram resistentes a se envolver em uma política e, portanto, antitéticos ao caráter nacional chinês. No entanto, uma vez que os sucessos da

Política Aberta foram aparentes, a resistência à rotina pelos habitantes diminuiu.

Além disso, dada a confluência de política e economia na China, parece

aparente que alguns membros do PCC também não aceitariam o plano.

No entanto, a Política Disponível foi implementada e tornou-se fundamental para o sucesso do crescente sistema econômico chinês. A apresentação da Política Aberta

foi tão poderosa que, em 1988, os líderes do PCC foram incentivados a produzir

um novo sistema chamado estratégia de desenvolvimento costeiro. Nesse programa, mais da nação ficou disponível para a região internacional de investimentos, que na época incluía praticamente 200 milhões de pessoas. Além disso, preocupando

mais investidores internacionais, adicionando capital e lixo não processado

e transferindo o excesso de mão-de-obra barata e barata da China, a nova política foi

crescimento liderado pela exportação ou industrialização orientada para a exportação.

modelou claramente as experiências de Taiwan, bem como dos outros pequenos dragões asiáticos

‘(Nathan 99). Um especialista conseguiu que a Cina agora esteja na tolerância da maior oportunidade da história da humanidade: uma nova era econômica que prometa maior riqueza e realizações do que qualquer outro passado

< p>época (Gilder 369). Ilustrando esse sentimento otimista é geralmente Xangai

um local designado para condições preferenciais de investimento internacional

como base referente ao desenvolvimento de produtos de exportação em 1988. Esta cidade e os arredores do Delta do Yangtze têm uma população de aproximadamente 400 mil habitantes e a cidade é apenas o centro financeiro das nações para acionistas internacionais e nacionais

. Por razões políticas, este local foi excluído da designação do plano Open

original no final dos anos 70, mas atualmente está em processo de captura do plano

de outras áreas assim designadas. Certamente, o aumento dos investimentos estrangeiros nos últimos dois anos é impressionante. A área recebeu 3. bilhões de dólares em investimentos estrangeiros na década de 1980. A área recebeu a mesma quantia de investimentos estrangeiros

somente em 1992. Apenas nas primeiras dez semanas de 93, a área experimentou

recebeu mais de seis bilhões de dólares em investimentos no exterior (Tyler A8).

Os analistas europeus incluem o fato de que o plano de seguro aberto e a abordagem de desenvolvimento à beira-mar permitiram a Deng entrincheirar sua energia elétrica política (Shirk 47) e permitirão sua capacidade para ser suportado mesmo após a morte. Se isso for verdade, Deng deve se tornar muito popular em Xangai. Com seu novo nome, e com os imensuráveis ​​

dólares estrangeiros entrando em cena, tornou-se necessário melhorar as instalações da cidade. Para esse fim, quarenta bilhões de dólares em obras públicas em geral foram concedidos pelo governo central pertencentes a Xangai no ano passado (Tyler A1). Esses projetos de obras públicas contêm novos esgotos, um novo sistema de água

, novas linhas de gás, um novo elo e uma extensa obra nas estradas. Planos futuros

são a construção do seu segundo terminal do aeroporto, uma porta de caixa de texto, um novo sistema de metrô e ainda mais estradas e pontes (Tyler A8). A área financeira, que contará com um novo mercado de ações, também está sendo reconstruída simplesmente com a China e os acionistas estrangeiros em parceria. Ao ser especificada para

condições vantajosas, Xangai na China recebeu do governo federal central isenções de impostos

para empresas que fazem negócios com empresas estrangeiras, isenção de impostos

por novas fábricas são construídas com investimentos no exterior e uma zona alfandegada, a maior da China, para importações de matérias-primas com isenção de impostos. Agora, Xangai, na China, tem todos os recursos de uma cidade contemporânea: boates, projetos de construção e consumo notável

.Em resumo, onde existem monumentos reverenciados e curvas douradas

mão e mão (Riboud 12), a aparência do mais novo Shanghai realmente não faz nada

a menos que sinalize o fim do debate ideológico acima da China totalmente grátis

experimentos de mercado (Tyler A8). Xangai se juntou às fileiras do local moderno

. No entanto, isso simplesmente não é necessariamente um desenvolvimento benéfico. A inflação é generalizada: os preços incluem o dobro nas áreas industriais e zonas específicas nos últimos cinco anos.

No entanto, o fato de Xangai atualmente possuir o quinto da maioria dos locais de trabalho caros no mundo mostra que isso exige alta e

as perspectivas relativas ao crescimento futuro são atraente (Tyler A8). De fato, Pudong, uma região industrial de exportação

descrita como a visão futura de Shanghais

Nova york (Tyler A8), possui muito mais do que vinte instalações industriais construídas ou sendo

projetado com nomes como Siemens e Hitachi dominantes. Esta área está se tornando particularmente atraente para acionistas e empresas estrangeiras por causa de suas concessões de deveres, importação de matérias-primas sem responsabilidade e mão de obra barata. Xangai na China

também se beneficia, pois terá tecnologia auxiliar e gastos discricionários

nos trabalhadores e executivos com as empresas simbolizadas (Tyler

A8). São condições como estas que causam pelo menos 1 analista para

prever que a China é definitivamente a economia geral mais rica do mundo dentro dos próximos

próximos mais de 20 anos (Gilder 372) . Xangai não é de forma alguma exclusiva do crescimento.

Investimentos estrangeiros extras continuam sendo aplicados em outras áreas da China e tiawan.

Por exemplo, a Boeing Firm anunciou recentemente sua intenção de investir

US $ 100 milhões em uma fábrica na China para criar áreas de cauda para 737

aviões a jato (Boeing D4). Além disso, a EI du Pont recentemente

previu que seus investimentos e negócios na China podem aumentar enquanto

muito porque dez instâncias até o final do século (Du Pont D2).

O presidente da du Ponts atribuiu as transações da empresa a

28 projetos novos na China que as mudanças financeiras do país, o sistema aprimorado e o crescente fluxo de caixa disponível

motivou a empresa a expandir suas ações de negócios (Du

Pont D2). O governo federal chinês fez tentativas conscientes de

promover a força da economia do país enquanto protegia seus residentes.

Apenas algumas semanas atrás, o governo dos EUA instituiu políticas de dinheiro restrito, projetadas para controlar a inflação e retardar o que é a economia-chave que mais cresce no mundo

(Shenon China pára o D1 ) No entanto, após a realização

, a Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China foi forçada a interromper a emissão de

novas emissões para as Bolsas de Xangai e Shenzhen desde o valor da

os mercados experimentaram uma queda e tanto. Esta última manobra destinava-se a acalmar

inúmeros investidores orientais iniciantes que evidentemente entraram no mercado

pensando que os preços das ações só podem subir (fornecedores chineses de Shenon

Pára D1). Essa política pode apresentar uma união de preocupações monetárias e morais?

Caso isso ocorra, demonstre a vontade do governo dos EUA de mostrar vários tipos de responsabilidade

alguma força moral, para seus cidadãos. No mínimo, a estratégia parece mostrar um desejo prático de o governo assumir o controle mais do que poderia ter sido uma má situação econômica. De fato, depois que essas medidas foram instituídas, o déficit de controle da China diminuiu (Hansell D2) e o volume das bolsas de valores obteve alturas recorde (Stocks Surge D2).

Para garantir, os acionistas chineses permanecem, até certo ponto, cautelosos em relação ao mercado de ações e

, na verdade, parece ser necessário mais controle do mercado de ações (Shenon

A Nail -Mordendo D1). Mas, ao discutir as tentativas orientais de administrar

inflação, Philip J. Suttle, chefe de pesquisa de segmentos de mercado emergentes da organização de investimentos

do JP Morgan, espera que isso se pareça com o Os chineses terão a obtenção suave que pretendem (citado em Hansell

D2). A afinidade da China pelos mercados de ações não se limita mais a seus próprios limites

. Em maio, a Shandong Huaneng Power Advancement Company, a primeira organização chinesa continental a ter seu registro principal na Bolsa de Valores da Nyc (China Inventory D5), iniciou as ações de negociação. A ação

deve ser impressionante para os investidores: a demanda elétrica chinesa deve aumentar em 17 mil quilowatts por ano até a virada do ano

>século (Zuckerman D6). Além disso, a China e a tiawan podem encontrar a partir dos problemas de vendas.A corporação planeja usar os US $ 311 milhões em dólares americanos recebidos com a oferta de aposentar US $ 83 milhões em empréstimos por entidades expressas chinesas.

Também pretende expandir sua capacidade de geração geral (Zuckerman D6).

Isso também não significa que o único chinês se esforce para trazer capital por opções estrangeiras

em solo estrangeiro. Espera-se que mais três empresas de energia sejam listadas em Ny e Hong Kong nos próximos meses (Zuckerman D6).

Ofereceu a força evidente do clima econômico chinês, comprovado por grandes projetos públicos,

projetos, oportunidades estrangeiras intensivas, participação na economia mundial e

um estilo de vida geralmente de qualidade superior pelas pessoas, parece que o

Cliente agora está pronto para se juntar à terra como uma sociedade contemporânea capitalista e democrática contemporânea

. No entanto, isso pode não ser bem verdade. O PCCh retém garantias desses aspectos de insularidade e intransigência, conforme discutido por Nathan. Por causa de seu histórico de direitos humanos, a expansão econômica do país está sendo impedida. Ou seja, as políticas nacionais da China, que sempre foram aliadas à sua economia, estão agora restringindo a expansão internacional. Os Estados Unidos, especificamente, têm se interessado

na China por cuidar de dissidentes políticos. Em maio, o executivo-chefe Clinton decidiu encerrar a ligação do status comercial da China ao usar os Estados Unidos com seu histórico de direitos humanos. O presidente continua sendo criticado por isso por causa de situações como as seguintes: estudos para atividades contra-revolucionárias

idéias de atividades para usar um galpão de avião com controle remoto

livretos pró-democracia sobre a Praça Tienenmen (rachaduras na China A13) começaram recentemente a pertencer a quinze dissidentes e organizadores do trabalho que estiveram envolvidos nos protestos da Praça Tienenmen. Esses estudos foram adiados

duas vezes, primeiro para evitar uma reação internacional negativa, pouco antes de sua decisão

em setembro passado de 2010 na China, a aposta falhou em numerar as Olimpíadas de 2150 e depois disso

época de plantio para evitar impactos nas decisões de operação de Clintons (China

rachaduras A13). Além disso, Cina instituiu novas leis e regulamentos eficazes em junho, para fornecer poder abrangente ao Gabinete de Segurança do Estado da China para prender os dissidentes (China racha A13). A China está totalmente ciente das preocupações dos Estados Unidos da América em relação ao seu registro de direitos individuais. Dado o fato de que os Estados Unidos deixaram claro para a China que esse registro será desse tipo com o status de transação, o momento da China de tais atividades restritivas causa

Representantes e administradores dos Estados que questionam a sinceridade da China em seu desejo de ter um status de operação favorecido ao usar os Estados Unidos. Certamente, apenas nas últimas vezes, levou uma campanha de lobby de última hora simplesmente pelo presidente Clinton

e sua despensa potencialmente desconfortável na Câmara dos deputados

< p>Representantes para restringir o comércio com a China, a fim de punir Pequim por

denúncias de violações de privilégios humanos. (Bradsher A7) No entanto, as preocupações da China em se tornar um membro da comunidade do mercado mundial têm uma superabundância a fazer do que com seu ethos político e práticas. Os fornecedores chineses parecem não entender ou ser capazes de continuar

em importantes práticas monetárias modernas. Por exemplo, as ofertas dos Estados Unidos

recentemente reclamaram que os fornecedores chineses não cumpriam as regras estrangeiras

no acesso a seus mercados e na proteção de direitos autorais e patentes (Gargan

< p>14). Esse tipo de descumprimento pode dificultar que a China se torne parte fundadora da Organização Mundial de Operação, sucessora do Acordo Geral sobre Tarifas e Transações e o órgão que é o A intenção de promover o livre comércio global

diminuindo tarifas e também outras barreiras, será formalmente constituída em

em 1º de janeiro de 1994. (Gargan 14) As características específicas do problema dos Estados Unidos

tem a ver com a pirataria na China de discos compactos musicais, discos rígidos a laser de vídeo e aplicativos de software. De fato, aproximadamente essa pirataria custa às empresas americanas um bilhão de dólares por ano. Esse fenômeno parece ter a ver com a

psicologia chinesa, como descrita por Nathan. Em seu ensaio de 1981, ele observou que a China não queria se tornar um cliente tecnológico do Ocidente. A opção preferida

é comprar um item e copiá-lo (Nathan 52). Claramente, isso pode não ser a forma como o comércio funciona hoje. É a posição dos Estados Unidos da América que a China precisa aderir às regras de controle antes de poder ser incluída em uma organização comercial.

Desnecessário dizer que a isenção da OMC seria desastrosa para qualquer país, mas

particularmente para um mercado crescente, incluindo a China. Possivelmente no dia-a-dia

Os pioneiros econômicos da China parecem estar lutando para entender como funcionam alguns aspectos de uma economia da indústria

. Ao discutir o status do mercado de ações de Xangai na China, por exemplo, um único negociante de ações o considera louco (Stocks

Surge D2). Além disso, os analistas americanos ficaram surpresos ao descobrir dentro do mercado de Xangai a falta de regras e os fracos requisitos de divulgação

. Algumas empresas estão listadas há dois ou três anos e

não concederam um registro anual (Hansell D2). Não é de admirar que os investidores chineses se preocupem com seus investimentos. A emissão de ações da Shapong Huaneng Power Advancement Company também demonstra a falta de conhecimentos da parte do idioma chinês no mercado mundial moderno. De fato, segundo um analista de investimentos da Hk, o negócio não era uma boa companhia. Fazia apenas algumas plantas discretas que eles ligavam uma curva

e escreviam um prospecto sobre ‘(Zuckerman D6). O prospecto garantia um retorno anual de 15% dos investimentos. De fato, o retorno

será, sem dúvida, menor do que isso, devido aos preços atuais de câmbio de divisas

e à dívida que a organização terá que assumir. Certamente, as questões da Organização de Desenvolvimento de Energia Elétrica Shandong Huaneng e da Bolsa de Valores de Xangai na China podem, possivelmente, demonstrar os problemas específicos associados a um sistema econômico imaturo. No entanto, no caso em que a China gostaria de se tornar um membro prático da comunidade econômica mundial, esses pontos fracos terão que ser removidos rapidamente. Esse tipo de preocupação aparente pode

tornar-se o resultado de um sistema econômico administrado pelo Estado. Sem dúvida, uma coisa que o PCC oferece é tentar criar um sistema econômico de mercado enquanto retém um sistema controlado pelo Estado. Essa estrutura pode ser possível, mas inclui

suas autoridades. Steven In. S. Cheung, em um ensaio escrito em 1989, afirmou

a criação de propriedade privada por mandato (31), sentindo que

a privatização na China levaria a importantes compras adicionais em a

infraestrutura da sociedade, bem como o estabelecimento do programa judicial que

confia firmemente no princípio da igualdade à frente da lei (Cheung 32).

Ecoando os sentimentos de Cheungs, James Dorn viu desafios nas regiões financeira e financeira da China. Nesta configuração, afirmou Dorn, o estado lida com

a maior parte dos recursos de compra. A possível falta de um mercado de capitais privado apresenta

desenvolvimento monetário deficiente na China e dificultou o investimento lógico

tomada de decisão (43). Para se tornar um estado econômico moderno, Dorn argumentou sobre a necessidade de contornar a China, dominando-a sobre a elite a quem se opõe

ao desmantelamento de monopólios estatais e a quem se beneficia da fixação de valores e

racionamento sem preço (51). Xu Zhiming também viu a exigência de uma renovação do sistema da China: devemos abandonar completamente o sistema convencional (249) para garantir que a mudança econômica prospere. Os membros do Partido Comunista

, naturalmente, articulam uma posição diferente. Em uma entrevista recente que apareceu na Revisão de Pequim, Feng Bing, Secretário de Boquilhas Padrão da Point out

Comissão de Reestruturação do Sistema Econômico, conversou com a questão monetáriareforma na China. É realmente impressionante que Feng tenha falado dos benefícios que a população recebeu devido à reforma monetária que está ocorrendo hoje na China.

Certamente, seus comentários pareciam mostrar a beneficência, ou o significado

força, do Partido Comunista Chinês em relação à reforma econômica. Ele sabia que

esse tipo de reforma envolve o fato do socialismo: libertar e desenvolver

causas produtivas, remover a exploração, eliminar a polarização e

< atingir o objetivo da prosperidade comum (Oficial 12). Assim, os líderes do PCCh parecem, no entanto, descobrir suas tarefas como representantes de uma força ética. Os membros e líderes do PCC

desejam que as reformas econômicas nem sempre sejam julgadas justamente quanto ao valor prático

, mas também como um impacto da força ética da liderança. A reforma monetária, portanto, torna-se absolutamente nada menos do que uma cruzada significativa; na verdade, é simples assim

ver por que, por exemplo, as características da China apostaram em seu prestígio nacional ao se tornar um

parte fundadora da Organização Mundial do Comércio (Gargan 14). Certamente a China conseguirá ocupar seu lugar entre as nações do mercado mundial?O PCCh conseguirá reter sua energia elétrica política, devido às drásticas modificações em nossa composição social dos fornecedores chineses que estão se desenvolvendo devido às mudanças econômicas

>fatos? Eu sugeriria que as chances são melhores para o anterior do que o pretendido

para o último. Assim que os chineses obtiverem mais elegância em relação aos mercados externo e nacional, crie um sistema bancário mais controlável e gere um bom esforço de confiança para garantir privilégios humanos apropriados, o país poderá

se tornou o sistema econômico mais rico do mundo nos próximos 25

anos (Gilder 372). No entanto, se essas condições podem ocorrer

sem um enfraquecimento do sistema gerenciado pelo estado, é problemático. A mais surpreendente e abrangente demonstração de força ética do PCC pode ter que ser certamente uma redução voluntária do poder sobre o povo. Paradoxalmente, ao se deteriorar politicamente, o encontro pode exibir seu exato poder moral ao entregar, política e economicamente, 1 bilhão de cidadãos chineses.

Bibliografia

Boeing vai investir US $ 22,99 milhões para a China Grow. Nova York

Ocasiões: 9 de setembro de 1994, D4. Bradsher, Keith. Faturar para restringir a China

Importações Perde interno. New York Occasions: 10 de agosto de 1994, A7. Cheung, Steven

N. S i9000. Privatização vs. Ações especiais: a experiência da China

Reformas econômicas. Mudança econômica na China: problemas e perspectivas. Educação.

James A. Dorn e Wang Xi. Chicago: University of Chi town Press, 1990. 21-32.

China e tiawan reprimem a dissidência após o aumento do risco comercial, afirma a pesquisa.

Hartford Courant: vinte e nove de julho de 1994, A13. China e tiawan Estoque é bastante ativo. New

Instâncias de York: 5 de agosto de 1994, D5. Dorn, Wayne A. Preços e House: o

quebra-cabeça do idioma chinês. Reforma econômica na China: desafios e oportunidades. Ed.

James A. Dorn e Wang Xi. Cidade Chi: University of Chicago Press, 1990. 39-61.

Du Pont planeja aumentar o investimento chinês. Ocasiões em Nova York: 10 de agosto de 1994, D2. Gargan, Edward A. EUA pode, possivelmente, impedir o comércio da China.

Objetivo. New York Times: 24 de julho de 1994, 14. Gilder, George. Deixe um bilhão de flores desabrochar. Econômico

Prev post Next post