(48) 4507-5403
Você quer saber como fazer um trabalho academico? Por apenas R$ 10 por página Obtenha um exemplo de monografia gratuito e pronto

Um negro fala de rios

“O negro fala dos rios” – o poema, que é capaz de tocar profundamente. Este trabalho é uma espécie de crônica do povo africano, que conta a história da ascensão da civilização, originada no Oriente Médio, e sua incidência nas margens do Mississippi. O poema revela a longa história do povo africano. Herói lírico fala sobre a experiência, que tem o seu povo. Ele diz que, conhecendo a história do povo da África, sua alma se elevou como um rio. Rios, na opinião do herói, é a personificação da sabedoria centenária, porque passaram por todos os testes e encheram sua água de experiência inestimável. O autor usa a imagem do rio como a personificação do povo africano, que é muito visto em sua história.

A narrativa lírica “O negro fala dos rios” começa com o primeiro período da história da comunidade negra. Herói conta a história do nascimento de seu povo, mostrando-nos a margem do rio Eufrates. Tudo muda com o advento da era da escravidão. Agora a ação ocorre na América do Norte no Vale do Mississippi. Aqui o leitor verá imagens horríveis da escravidão, mas mesmo nesse horror há um raio de esperança. Pedigree sobre o rio o sol com seus raios dourados iluminam o futuro brilhante e alma do herói nasce, mas espero que a era da escravidão em breve termine, e seu povo ganhe a tão esperada liberdade.

Deve-se destacar particularmente o papel do poema lírico. No início, o leitor tem a sensação de que o falante é o único, mas a cada novo ponto, estamos cada vez mais conscientes de que a história é contada por muitas vozes. Este efeito permite o máximo choro de transferência da alma de todas as pessoas, e não de um dos seus representantes. Este poema – é o modo como o autor escreve a história do seu povo, desde os tempos antigos e terminando o chamado Renascimento do Harlem.

Vale a pena notar que toda a história do povo africano retratada no poema, que está intimamente associada a vários rios. A história começa nas margens do rio Eufrates, um lugar onde a civilização nasceu. A partir daí, o leitor se muda para o vale do rio Congo, onde, segundo a lenda, foram as primeiras pessoas. O autor então nos leva às margens do Nilo, no Egito, onde a escravidão nasce. Termina escritor de viagens de coruja do rio Mississippi, onde a escravidão recebeu seu apogeu e reconhecimento. Eventos como as ondas rolaram no leitor: a era da ascensão e queda, após o que surge uma nova ascensão do povo africano e depois vem a queda da civilização.

Prev post Next post